Nossa fisioterapeuta Thelma Caldeira fala sobre desafios e expectativas de sua profissão na reabilitação de vidas

Nossa fisioterapeuta Thelma Caldeira fala sobre desafios e expectativas de sua profissão na reabilitação de vidas

Nossa fisioterapeuta Thelma Caldeira fala sobre desafios e expectativas de sua profissão na reabilitação de vidas

Neste mês, comemoramos o Dia do Fisioterapeuta e do Terapeuta ocupacional, lembra? Inspirados pela data e por profissões tão nobres com as quais temos o prazer e a honra de conviver, publicaremos uma série de entrevistas com nossos profissionais, pessoas que se doam e que trabalham dia após dia pela reabilitação e restauração de vidas.

Para começar, conversamos com a nossa querida colaboradora Thelma Caldeira, fisioterapeuta há 15 anos formada pela Fundação Educacional de Fernandópolis (SP) com especialização em Microfisioterapia, Fisioterapia Neurológica, Fisioterapia Aplicada a Ortopedia e Traumatologia, Terapia Manual e Postural, Pilates Clínico Internacional, ISO Streching e Reiki.

Conosco no Centro de Reabilitação Nossa Senhora de Lourdes (CRNSL) desde o ano passado, Thelma bateu um papo com a gente. Confira:

Como você resumiria o exercício de sua profissão e o que a motivou a ser fisioterapeuta?
Ser fisioterapeuta é tratar, reabilitar e prevenir possíveis lesões físicas e problemas cardiovasculares e neurológicos. Mas, em resumo, o exercício da profissão é o AMOR. Minha maior motivação foi meu sonho em trabalhar na área da saúde.

Qual a sua principal especialidade e por que se dedicou a tal especialização?
Microfiositerapia, que, além de fazer muito bem para o paciente, é apaixonante para o fisioterapeuta que acredita na cura através das mãos.

Veja mais sobre a Microfisioterapia aqui

Quais os principais desafios da sua profissão como fisioterapeuta?
Sempre considero todos os casos, ou melhor, cada paciente como um desafio a ser superado, pois cada indivíduo é único independente de a patologia ser comum ou não. E esse deve ser sempre o desafio da nossa profissão.

Sendo assim, qual a história do seu paciente mais desafiador?
O paciente mais desafiador foi um garoto lutador de judô que sofreu um acidente e teve uma ruptura parcial da medula, o que paralisou seus membros inferiores. Comecei a atendê-lo em sua casa, logo após a alta hospitalar, e aquele moço, tão cheio de vida mas que teve seus movimentos paralisados, me tocou muito. Ao mesmo tempo, ele me motivou a buscar em livros e conversas com ex-professores e amigos de profissão o que melhor eu poderia fazer para ajudar no seu processo de reabilitação. Em um ano e meio ele estava andando e fui madrinha de seu casamento algum tempo depois. Nem preciso dizer quão significante foi para mim ver ele no altar. Claro que só fui coadjuvante, pois a família era muito devota de Nossa Senhora e tenho certeza que ela foi a intercessora desse milagre. Aliás, ele voltou a lutar — mesmo contra a minha indicação e a de seus médicos.

Como é o seu trabalho no Centro de Reabilitação Nossa Senhora de Lourdes e que diferenciais você enxerga na nossa instituição?
O CRNSL foi para mim como a Fênix, pois, por motivos de mudança de Estado, fiquei sem trabalhar por 4 anos desde que saí de São Paulo. Quando consegui retornar, senti minhas energias e minha força voltando. Por isso, sou muito grata pela oportunidade de recomeçar em Palmas. Quanto ao diferencial do CRNSL, posso dizer que é o melhor lugar para se trabalhar, pois o olhar que a casa tem com o paciente é sem duvida muito raro.

O que diria a quem está pensando em seguir a fisioterapia como sua profissão?
Aos jovens que têm pensando em fazer da fisioterapia também a sua profissão, eu digo que a área ainda está engatinhando, tem muito para crescer, que precisamos de pessoas que venham somar e que realmente sejam apaixonadas pela profissão, porque você recebe todo o bem que faz ao paciente de volta, e isso é muito gratificante. Também posso dizer para elas que tenham muito AMOR para dar, pois o processo de reabilitação requer muito amor envolvido.

Quais as suas perspectivas e seus anseios para a sua profissão futuramente?
Precisamos conquistar mais união entre todos para que assim possamos buscar juntos por melhorias tanto na capacitação dos profissionais quando na estrutura física dos locais onde trabalhamos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *