Dia da Consciência Negra: 10 filmes para refletir sobre o racismo

Dia da Consciência Negra: 10 filmes para refletir sobre o racismo

Dia da Consciência Negra: 10 filmes para refletir sobre o racismo

O Dia da Consciência Negra (20 de novembro) é uma data dedicada à reflexão sobre a vida e a inserção do negro na sociedade brasileira, suas dificuldades, suas lutas e também suas conquistas. A data foi escolhida em homenagem a Zumbi, o último líder do Quilombo dos Palmares, em consequência de sua morte em 1695.

O local abrigou mais de 20 mil escravos que fugiam por não suportarem as condições desumanas e deploráveis a que eram submetidos, aguentando maus tratos e castigos rotineiros, vivendo amontoados nas senzalas, vendo suas mulheres e filhas como escravas sexuais dos senhores…

Foi um enorme sofrimento que teve alívio com a Lei Áurea de 1888, que libertou todos os escravos. No entanto, na época, como eles não sabiam realizar outro tipo de trabalho, continuavam nas casas de seus patrões, ou seja, a tão esperada liberdade não chegou por completo. As oportunidades de vida eram em geral limitadas a trabalhos pesados e braçais pela falta de estudos.

Em decorrência de tudo que passaram, até hoje a população negra ainda sofre com o preconceito e o racismo, fazendo do Dia da Consciência Negra um símbolo importantíssimo da sua luta. Na data são realizados eventos e congressos onde discute-se a história, a discriminação social, as dificuldades encontradas no mercado de trabalho, a marginalização e também temas como beleza negra, moda, conquistas, entre outros.

Motivados por iniciativas assim, listamos pra você 10 filmes que abordam o preconceito, a discriminação e o racismo:

HISTÓRIAS CRUZADAS

O filme conta a história de Skeeter, uma garota de classe média alta na cidade de Jackson, no Mississipi, nos anos 1960, que volta a sua cidade natal para ser uma escritora. Percebendo as diferenças sociais entre as mulheres negras e as brancas da sociedade, começa a entrevistar aquelas que, na maioria dos casos, trabalham como empregadas domésticas cuidando dos filhos das brancas. Aibileen Clark, a empregada de sua melhor amiga, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo.

A OUTRA HISTÓRIA AMERICANA

O filme de Tony Kaye, de 1998, conta a história de Derek, um jovem neo nazista que é preso após matar um homem negro. Ao sair da prisão, suas ideias mudaram, e ele precisa impedir que seu irmão mais novo percorra o mesmo caminho. A obra mostra como o ódio racial acaba com a vida (tanto de agressores como de agredidos).

12 ANOS DE ESCRAVIDÃO

O filme se passa em 1841 e conta a história de Solomon Northup, que é um escravo liberto, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. Ao longo de doze anos ele passa por dois senhores, Ford e Edwin Epps, que, cada um à sua maneira, exploram seus serviços.

INVICTUS

Recentemente eleito presidente, Nelson Mandela tinha consciência que a África do Sul continuava sendo um país racista e economicamente dividido, em decorrência do apartheid. A proximidade da Copa do Mundo de Rúgbi, pela primeira vez realizada no país, fez com que Mandela resolvesse usar o esporte para unir a população. Para tanto chama para uma reunião Francois Pienaar, capitão da equipe sul-africana, e o incentiva para que a selação nacional seja campeã.

DJANGO LIVRE

Depois de revirar a história do nazismo em “Bastardos Inglórios”, Quentin Tarantino mergulhou na escravidão americana e saiu dali com uma proposta igualmente provocativa: a de um escravo que é comprado e liberto por um branco, para se tornar seu parceiro na caça pela cabeça de donos de escravos (e de quaisquer outros homens que valham uma boa recompensa). Django ainda toma para si a missão de libertar a esposa do mais cruel dos fazendeiros, fazendo-se passar por um olheiro de escravos lutadores.

HOTEL RUANDA

Em 1994 um conflito político em Ruanda levou à morte de quase um milhão de pessoas em apenas cem dias. Com diferenças mínimas de etnia, as duas populações tinham séculos de ódio acumulado, que explodiram com a morte do ditador Juvenal Habyarimana. Armados de facões e paus, os tutsis eliminaram 20% da população do pequeno país africano, durante 100 dias ignorados pela comunidade internacional. , os ruandenses tiveram que buscar saídas em seu próprio cotidiano para sobreviver. Uma delas foi oferecida por Paul Rusesabagina, que era gerente do hotel Milles Collines, localizado na capital do país. Contando apenas com sua coragem, Paul abrigou no hotel mais de 1200 pessoas durante o conflito.

A COR PÚRPURA

O filme, de Steven Spielberg, conta a história de Celie, uma adolescente violentada pelo pai, que engravida e depois é oferecida a outro homem contra a sua vontade. Separada do filho e da irmã, Celie tem sua trajetória de vida marcada pela opressão durante trinta anos, até sua emancipação.

QUANTO VALE OU É POR QUILO?

O filme é uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada. No século XVII, um capitão-do-mato captura uma escrava fugitiva, que está grávida. Após entregá-la ao seu dono e receber sua recompensa, a escrava aborta o filho que espera. Nos dias atuais uma ONG implanta o projeto Informática na Periferia em uma comunidade carente. Arminda, que trabalha no projeto, descobre que os computadores comprados foram superfaturados e, por causa disto, precisa agora ser eliminada. Candinho, um jovem desempregado cuja esposa está grávida, torna-se matador de aluguel para conseguir dinheiro para sobreviver.

QUASE DEUSES

Após perder o emprego de marceneiro e todas as suas economias durante a Grande Depressão, jovem é contratado como faxineiro por um hospital. Nesse ambiente, um médico descobre sua enorme inteligência e ambos passam a trabalhar juntos. Porém, suas conquistas são minimizadas, pois ele, além de não ser médico, era negro.

ADIVINHE QUEM VEM PARA JANTAR

Em São Francisco, Matt Drayton e Christina Drayton, um conceituado casal, se choca ao saber que Joey Drayton, sua filha, está noiva de John Prentice, um negro. A partir de então dão início à uma tentativa de encontrar algo desabonador no pretendente, mas só descobrem qualidades morais e profissionais acima da média.

Fonte dos filmes: CONTI outra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *